nomada digital

Tudo o que precisas de saber para te tornares um nómada digital

O nomadismo digital tornou-se uma tendência global nos últimos anos, com pessoas a viajar e a trabalhar a partir de países com locais idílicos tais como: Indonésia, Tailândia, Colômbia ou cidades europeias, como por exemplo: Lisboa, Budapeste e Barcelona. Hoje em dia, com o aumento do número de trabalhadores remotos, esta tendência vai espalhar-se mais rápido do que nunca, mas o que precisas de saber para te tornares num nómada digital?

 

Antes de mais, dinheiro!

A primeira coisa que precisas de fazer para te tornares um nómada digital é garantir que tens uma fonte de rendimento. Sem dinheiro, não há diversão. Existem 3 formas de ganhares dinheiro online enquanto nómada digital: tornar-te freelancer, trabalhar remotamente para uma empresa e criar e gerir um negócio online.

 

  • Freelancing é visto como um dos métodos mais fáceis para começar a trabalhar remotamente. Tudo o que vais precisar é de ter uma competência que o mercado precise (Marketing Digital, Design, Programação) e vender essa competência como um serviço. Podes começar com plataformas como a Upwork e a Fiverr e aumentar a tua carteira de clientes com tempo fora dessas plataformas.
  • Trabalhar remotamente para uma empresa é mais complicado devido à concorrência, mas tendo em conta que cada vez mais empresas se adaptam ao trabalho remoto, este será o novo normal. A Gitlab, a Buffer e a Doist há já algum tempo que contratam remotamente e cada vez mais empresas, como recentemente o Twitter e a Quora, vão começar a contratar trabalhadores remotos.
  • Criar um negócio online é a mais complicada das três, tendo em conta que a maioria dos negócios não têm um retorno imediato e precisam de tempo para crescer.  Contudo, é cada vez mais evidente que os empreendedores se estão a adaptar ao mundo online recorrendo ao e-commerce, Dropshipping, agências e educação online e muitos outros modelos de negócio. O início é desafiador, mas o retorno a longo-prazo pode ser significativamente mais alto do que apenas trocar o teu tempo por dinheiro.

 

Agora que já asseguraste o teu rendimento, o que se segue?

É muito importante que comeces por perceber o que procuras em cada lugar que visitas e a que velocidade pretendes viajar.

A maioria dos nómadas digitais procuram uma comunidade de pessoas que pensem de forma semelhante à sua, locais bonitos para visitar, cultura local e modos de vida diferentes, espaços de coworking, actividades ao ar-livre e um padrão de nível de vida económico. por isso, questiona-te sempre sobre aquilo que tencionas encontrar antes de começares a selecionar o teu próximo destino.

Aconselho-te vivamente a estares pelo menos um mês em cada destino. Viajar com calma é uma arte, e os nómadas digitais adoram viver como um local nos lugares que visitam, em vez de serem apenas turistas. Além disso, tudo tende a ser mais barato quando contratado por pacotes mensais, desde o alojamento aos espaços de cowork, mensalidades são a fórmula mais vantajosa em qualquer lugar do mundo. E claro, quanto mais tempo ficares, mais barato se torna.

 

Onde ir?

Se procuras uma comunidade de nómadas digitais e lugares que preenchem todos os requisitos que mencionei anteriormente, os melhores locais no mundo são Bali, Chiang Mai, Lisbon, Budapest, Playa del Carmen e Medellín. Há muitas outras opções, mas todas estas se tornaram grandes hubs de nómadas digitais do mundo inteiro, e muito facilmente encontrarás toda a informação de que precisas para viajar, viver, trabalhar e conectar-te com outros, à distância de um clique.

Um website que deverás sempre consultar antes de escolheres o próximo destino é o Nomadlist. Aqui podes encontrar preços, recomendações e informações úteis sobre uma variedade enorme de diferentes locais no mundo.

 

Com todas estas ferramentas, agora é tempo de te preparares e começares a abraçar a jornada do nómada digital. Conecta-te com pessoas semelhantes a ti nos lugares mais incríveis do mundo e aproveita esta nova forma de viveres o teu dia-a-dia.

Se Lisboa está na tua lista, dá uma olhadela ao Piece of Work. É um espaço de coworking em Campolide, um bairro típico no centro da cidade e onde se respira comunidade.

 

Agenda já a tua visita

 

(artigo escrito em colaboração com Gonçalo Hall, fundador do Remote Work Movement)

 


 

Subscreve a nossa Newsletter


    reunião de apresentação de empresa

    Como atrair investidores com a apresentação da tua empresa?

    Desenvolveste uma ideia de negócio excelente, mas precisas de capital para avançares? Então, está na hora de fazeres a apresentação da tua empresa a investidores. Sabemos que para muitos esta missão é uma fonte de stress e ansiedade, mas com a nossa ajuda tem tudo para ser bem-sucedida!

    Podes e deves dar a voz da tua empresa e o teu toque pessoal ao pitch. No entanto, há uma estrutura de 12 partes que podes seguir para maximizar as tuas hipóteses de sucesso.  Aqui te deixamos o nosso guia prático para um pitch infalível.

     

    1. Agenda:

    First things first, começa por resumir os tópicos que vais abordar e em que ordem.

     

    2. Equipa:

    Apresenta a equipa da tua Startup, a área funcional de cada colaborador e uma breve descrição do seu trabalho.

     

    3. Problema:

    O teu bem ou serviço apenas é viável se responder a uma necessidade ou problema no mercado. Expõe essa lacuna para que os investidores confirmem que ela existe, ou melhor ainda, para que também se questionem e a sintam.

     

    4. Solução:

    De forma clara e direta, explica como é que a oferta soluciona o problema que acabaste de referir. Apoia a tua afirmação com, pelo menos, um caso de sucesso.

     

    5. Fatores diferenciadores:

    Sublinha os aspetos que tornam a tua oferta diferente e melhor do que quaisquer outros bens ou serviços existentes no mercado.

     

    6. Produto/serviço:

    Mostra como funciona a tua ideia, como deve ser usada e algumas das principais funcionalidades do teu produto ou serviço.

     

    7. Mercado:

    Apresenta o teu público-alvo e a sua dimensão.

     

    8. Modelo de negócio:

    Resume como a tua startup cria e entrega valor ao público-alvo. Aproveita para abordar tópicos como a estrutura de custos e os canais de venda.

     

    9. Concorrentes:

    Sê transparente ao expor quem são os concorrentes da tua empresa. Mesmo que haja pouca ou nenhuma concorrência direta, há sempre concorrentes que, embora não ofereçam algo similar, constituem uma alternativa.

     

    10. Plano de Marketing:

    Clarifica de que forma e com recurso a que meios a tua empresa pretende atrair e reter potenciais clientes.

     

    11. Métricas:

    Tanto quanto possível, sustenta as tuas afirmações em cálculos, projeções e dados históricos.

     

    12. Plano de investimento:

    Realça as áreas em que a tua empresa precisa de investimento. É essencial que expliques como os recursos alocados às mesmas contribuirão para alcançar os objetivos do negócio.

     

    Tudo isto pode parecer demasiado para transmitir durante a apresentação da empresa. Por isso, tenta ser abrangente, e não entres em demasiados detalhes. O ideal é demorares, no máximo, 15 minutos. O objetivo é criar um panorama geral que cative e motive os investidores a querer manter o contacto.

    Deixamos-te mais algumas dicas que consideramos fundamentais para o sucesso da apresentação da tua empresa:

     

    1. Prepara-te para a apresentação da empresa

    Pesquisa sobre os investidores que vão estar presentes para que possas criar uma relação e treina a apresentação da empresa várias vezes até que se torne natural.

     

    2. Conta uma história

    Recorrer ao storytelling ajuda os investidores a identificar-se e a criar empatia com o que estás a apresentar. Aproveita para contar como a startup foi fundada ou alguma situação importante para a equipa, mas não demores demasiado.

     

    3. Mostra o teu valor

    A proposta de valor é um dos aspetos mais vitais na apresentação da empresa. É a razão pela qual o público-alvo deve adquirir os produtos ou serviços. Dedica algum tempo a elaborar uma proposta clara, sucinta, honesta, diferenciadora e memorável. Apenas com a proposta de valor, os investidores devem ser capazes de entender como é que a tua oferta resolve um problema.

     

    4. Apresenta o modelo de negócio

    O modelo de negócio deve clarificar como a empresa cria valor e garante lucros. Especifica alguns dos seguintes tópicos: custos, vendas, recursos, parcerias e distribuição.

     

    5. Usa dados e números

    Os números não mentem e passam muito mais confiança. É por isso que os investidores exigem que lhes apresentes dados exatos. Complementa a apresentação da empresa com pesquisas e previsões fundamentadas. Entre outros indicadores, menciona a quota de mercado, o lucro líquido e as taxas de crescimento expectáveis.

     

    6. Antecipa os próximos passos

    Para mostrares que a tua equipa sabe orientar o negócio, é importante que expliques o que precisa de ser feito no curto/médio prazo. Isso ajuda os investidores a ficarem mais confiantes ao alocar capital e a avaliar qual o nível necessário de expertise e envolvimento.

     

    7. Responde às perguntas

    Se dominares o conteúdo a apresentar, vais estar à vontade para responder às questões dos investidores. Isto exige um estudo minucioso, por isso, investe na tua pesquisa para conseguires responder assertivamente às perguntas que te serão colocadas.

     

    Agora que já tens tudo o que precisas para preparares a apresentação da tua empresa, enche-te de coragem e garante o tão desejado investimento para conseguires dar mais um passo rumo à expansão do sucesso do teu projeto.

     

    Para mais artigos sobre coworking, networking e outras tendências atuais no mundo do trabalho, não deixes de subscrever a nossa newsletter e blog.

     


     

    Subscreve a nossa Newsletter


      grupo em reunião para criar empresa

      Criar uma empresa: Transforma as tuas ideias num negócio!

      Empreendedorismo é uma das palavras mais ouvidas na atualidade. Cada vez mais, os jovens são incentivados a criarem os seus próprios empregos e a gerarem oportunidades. Porém, transformar ideias num negócio e criar uma empresa nem sempre é fácil.

      Embora nem todos tenhamos o objectivo de ser empreendedores, certamente a maioria de nós vai ter algumas ideias brilhantes ao longo do seu percurso pessoal e profissional. Se estiveres disposto a aceitar o risco e avançar com coragem,  poderás concretizar os teus projetos e transformá-los numa ideia de sucesso.

      Neste artigo, encontrarás algumas dicas sobre o que deves fazer neste percurso rumo à tua nova empresa.

       

      5 Passos para transformares as tuas ideias num negócio

       

      1. Partilha as tuas ideias. O feedback é importante

      Muitas vezes, quando temos uma ideia que achamos ter potencial e começamos a pensar na possibilidade de transformá-la num negócio, temos medo de partilhá-la. Certamente, muitos de nós ouvimos dizer toda a vida que é mais seguro guardarmos as nossas ideias do que contá-las aos outros, só que nos esquecemos de que “os outros” podem ser as pessoas certas para nos ajudarem a tirar os projetos da gaveta e criar uma empresa.

      Ao contrário do que possas pensar, é muito importante partilhar e ter feedback de terceiros. Provavelmente, será essa troca de ideias que fará com que a tua prospere. Além dos amigos e familiares, procura opiniões de pessoas que tenham um maior conhecimento do mercado no qual gostavas de investir.

      Trabalhar em sítios que fomentem essa partilha, como os espaços de coworking, é uma grande mais-valia para quem está a começar. Poderás encontrar pessoas com outras ideias, que sejam complementares à tua, e, quem sabe, descobrires o parceiro perfeito para iniciares o teu negócio.

       

      2. Não queiras fazer tudo sozinho, trabalha em equipa

      Como sabes, todos temos competências diferentes e é essencial sermos capazes de perceber até onde conseguimos ir. Faz uma autoanálise e descobre as tuas limitações. Só assim serás capaz de perceber se precisas ou não de um parceiro.

      Às vezes, mais do que encontrar um parceiro à altura, é fundamental descobrir uma equipa que nos orgulhe, que cresça connosco e que nos faça crescer. O trabalho em equipa também é importante para a consolidação das ideias, o crescimento e, consequentemente, o sucesso e o aumento de receitas.

       

      3. Faz alguns testes e pensa em todas as alternativas

      O momento de criar uma empresa é realmente importante e representa um grande compromisso. Por isso, é indispensável que antes de avançares, e depois de já teres reunido todos os feedbacks, testes a tua ideia e penses em várias hipóteses.

      Deves pensar como um investidor, perceber se é esta a melhor altura para avançar, quem são os teus clientes, se existe concorrência no mercado, onde estão as melhores oportunidades, etc. No fundo, tens de desenvolver um plano de negócios incrível!

       

      4. Estuda a concorrência

      O mercado é cada vez mais competitivo, por isso, é necessário estudares a concorrência antes de criares a tua empresa. Qualquer que seja o setor em que estás a pensar investir, vão certamente existir outras empresas a oferecer o mesmo produto ou serviço que tu. Analisar a concorrência e perceber como esta atua são pontos fundamentais para a estratégia do teu negócio e para o seu progresso. Só assim poderás diferenciar-te dos restantes e conseguir encontrar a melhor oportunidade para a tua ideia.

       

      5. Encontra o teu público-alvo e trabalha para ele

      Além da concorrência, há outra parte fundamental em qualquer negócio: o público-alvo. Se estás a criar um produto ou serviço vendável, tens de definir muito bem quem é o teu potencial cliente e trabalhares para ele. Só depois de teres o consumidor ideal definido é que serás capaz de adaptar a tua linguagem e a tua marca para oferecer o que este necessita.

       

      Se estás à procura de oportunidades e tens uma ideia que gostavas de ver transformada num negócio, atreve-te a conhecer o Piece of Work. No nosso espaço de coworking, encontrarás um ambiente propício à criatividade e um conjunto de pessoas prontas para te ajudarem em tudo o que precisas.

       

      Conhecer o Piece of Work

       


       

      Subscreve a nossa Newsletter


        Mulher em trabalho remoto

        Trabalho remoto e horário flexível: Vantagens e oportunidades

        O mercado de trabalho tem sido palco de diversos novos paradigmas. O trabalho remoto e o horário flexível são duas dessas tendências. Cada vez mais profissionais e empresas reconhecem os benefícios de uma forma de trabalhar mais equilibrada e personalizada a cada colaborador. O trabalho remoto permite que o colaborador desempenhe as suas tarefas a partir de qualquer lugar, ligando-se à empresa ou aos clientes através da internet e, em alguns casos, desempenhando funções no horário que lhe seja mais conveniente (bye bye, 9 às 5!).

        O trabalho remoto e o horário flexível, quando bem planeados e executados, contribuem para melhorias a vários níveis. Vamos analisar quais e explicar-te como algumas empresas estão a ajustar-se a esta realidade.

         

        6 Vantagens do trabalho remoto e do horário flexível

         

        1. Não tens de te preocupar com deslocações

        O trabalho à distância possibilita que exerças a tua atividade confortavelmente em casa. Podes esquecer as preocupações com o trânsito, as viagens longas, o mau tempo e as horas perdidas. Se trabalhar a partir de casa não é a tua praia, podes evitar grandes deslocações e optar por instalar-te num espaço de coworking perto de ti.

         

        2. Aumentas a tua produtividade

        Quando optas pelo trabalho remoto, tornas-te completamente responsável pelas tuas tarefas e rotinas. Embora usufruas de flexibilidade, tens de apresentar o teu trabalho dentro dos prazos e com qualidade. Isso vai, naturalmente, incutir-te mais autodisciplina e não te faltarão motivações para trabalhar com afinco. Ganhas tempo e energia para os teus hobbies, para cuidares de assuntos familiares e domésticos e para tratares de burocracia sempre que precises. Idealmente, o ciclo arranca com uma melhoria da qualidade de vida, avançando rumo aos níveis mais altos de motivação e, consequentemente, de produtividade. Outros fatores potenciadores da produtividade incluem o facto de trabalhares em ambientes mais silenciosos e nas alturas do dia que, para ti, rendem mais.

         

        3. Reduzes os teus gastos

        O trabalho remoto e a redução de custos têm uma relação direta. Isto verifica-se quer estejas no papel de colaborador, quer no de diretor da empresa.

        Enquanto colaborador, poupas no combustível para as deslocações – principalmente se a empresa estiver sediada a muitos quilómetros de distância do local onde moras – ou nos passes de transportes públicos. Poupas também nas despesas com a alimentação, especialmente se não tiveres o hábito de levar marmita para o trabalho e optares por comer em restaurantes próximos.

        Enquanto empreendedor cujos trabalhadores estão à distância, poupas nos custos de eletricidade, internet e aquisição dos equipamentos e mobiliário. Podes até poupar consideravelmente na renda, visto que não precisas de um espaço tão grande para acolher a tua equipa.

         

        4. Tornas-te um profissional mais versátil

        Nas instalações da empresa, tens sempre colegas a quem podes colocar perguntas e pedir ajuda. Neste ponto, o trabalho remoto exigirá mais de ti! Embora estejas em contacto com os teus colegas ou clientes, há muitas ocasiões em que precisas de aprender e tomar decisões autonomamente.

        Não sabes bem o que fazer num certo contexto ou como desempenhar uma tarefa específica? Arregaça as mangas e sê proativo! Automaticamente, estarás a desenvolver novas competências, como a capacidade de resolução de problemas.

         

        5. Potencias a diversidade

        O trabalho remoto assenta na comunicação via internet e isso abre as portas a muito mais pessoas e experiências. Se és freelancer, a tua rede de clientes e parceiros não está restrita a limites geográficos. Caso sejas colaborador ou responsável de uma empresa, podes interagir com colegas de várias cidades e países. O valor da diversidade de ideias, perspetivas e competências vai ser evidente.

         

        6. Trabalhas com quem te sentes bem

        Já aqui vimos que é benéfico não trabalhares sempre isolado. O trabalho flexível permite que estejas perto dos teus amigos ou familiares, mesmo que tenham ocupações diferentes. Podes ainda integrar espaços de coworking onde vais conhecer pessoas de todas as áreas e reforçar a tua rede de contactos, criando assim mais oportunidades.

         

        O Piece of Work é uma verdadeira comunidade de coworking, com planos que se adaptam aos vários tipos de profissionais e empresas. E claro, não nos esquecemos de quem não dispensa o trabalho flexível.

        Podes subscrever os planos secretária fixa ou secretária flexível ou adquirir o passe diário. Criámos ainda o plano escritório virtual, que te permite trabalhar onde quiseres e ter acesso à nossa rede de parceiros e atividades. Estás convidado a reunir no nosso espaço quando precisares e até tratamos da tua correspondência.

        Descobre mais sobre o Piece of Work e alia as vantagens do trabalho remoto às da nossa comunidade de coworking!

         

        SABER MAIS

         


         

        Subscreve a nossa Newsletter


          presença digital de uma empresa

          5 Dicas para trabalhar a presença digital da tua empresa

          Atualmente, ter uma forte presença digital é uma das maiores exigências para um negócio bem-sucedido. Se estás a criar o teu próprio emprego, és dono de uma pequena empresa ou fundador de uma startup, é essencial teres isto em consideração.

          Hoje, a importância dos canais digitais é absoluta e bastante óbvia. Basta pensarmos que a maioria dos consumidores, antes de tomar qualquer decisão de compra, utiliza os motores de busca na internet para encontrar informações sobre o produto. Assim, estar bem posicionado online é indispensável para conseguir gerar resultados e alcançar objetivos.

          É importante sublinhar que, como qualquer estratégia de Marketing, uma boa presença digital exige investimento, tempo, um bom planeamento e compromisso. Mas não desanimes. Toda essa dedicação vai realmente valer a pena quando começares a atrair mais clientes para o teu negócio.

          Conhece agora 5 dicas essenciais para começares a trabalhar a presença digital da tua empresa.

           

          1. Define metas realistas e mensuráveis

          Começar a trabalhar a presença digital de uma empresa só faz sentido depois de se definirem alguns objetivos mensuráveis. Além disso, deve sempre fixar-se um período de tempo durante o qual é expectável alcançar as metas propostas.

          Os objetivos variam de negócio para negócio e também de fase para fase. Ou seja, é natural que com o passar do tempo os propósitos da tua empresa vão sendo alterados. Aliás, é expectável que assim seja, porque isso reflete evolução.

          Para começar, e se a tua empresa está agora no início, o ideal será definires metas como:

          • Aumentar o reconhecimento da marca;
          • Facultar as informações essenciais sobre o teu negócio;
          • Aumentar o número de leads (que depois se deverão transformar em clientes);
          • Criar uma relação com os teus potenciais clientes (de forma a convencê-los a ficar).

           

          2. Marca presença nas redes sociais

          Se queres melhorar a presença digital da tua empresa, estar nas redes sociais é absolutamente obrigatório. O social media é a maior tendência nos dias de hoje e é essencial encontrar uma boa forma de integrares o teu negócio neste meio.

          Primeiro, convém perceber quais das plataformas são as mais apropriadas ao negócio e onde deves marcar presença. Facebook, Instagram e Twitter são as três principais e recomendamos que, pelo menos, experimentes cada uma delas.

          O Facebook continua a ser a rede social mais utilizada a nível mundial, enquanto o Instagram tem crescido substancialmente nos últimos anos. Uma boa estratégia será utilizares as duas em simultâneo, visto que se complementam.

          Depois de criares os perfis da tua empresa nestas plataformas, é importante definires um plano de publicações. Encontra uma boa imagem, que comunique bem a tua marca, e investe em publicações diversificadas.

           

          3. Cria conteúdo relevante sobre a tua área de negócio

          O Marketing de Conteúdo é uma das principais estratégias para quem quer melhorar a presença digital da sua empresa. Criar conteúdo relevante, que envolva a comunidade, é indispensável para o sucesso de qualquer negócio.

          Tudo o que possa ser publicado para criar relação com o público-alvo, como artigos de blog, vídeos nas redes sociais, conteúdo no website, deve ser estrategicamente pensado e elaborado. É importante que não te foques apenas nos teus produtos, mas também em conteúdo relevante que esteja na esfera daquilo que ofereces aos teus clientes.

           

          4. Constrói um website à medida das tuas necessidades

          Para uma presença digital eficiente, a criação de um website é provavelmente o passo mais importante. Pouco importa se és muito ativo nas redes, se as tuas fotografias são as melhores e as tuas stories as mais vistas do Instagram. É indispensável que a tua empresa tenha um website completo, atrativo e intuitivo, onde possas apresentar todas a informações sobre o negócio.

          Antes da decisão de compra, os consumidores gostam de conhecer ao máximo os produtos ou serviços, assim como as caras por trás dos mesmos. Só um bom website será capaz de disponibilizar aos clientes toda a informação de que eles precisam.

          Ferramentas como o Google Analytics são muito importantes, elas permitem que acompanhes o desempenho do teu site de forma gratuita. Além disso, através desta plataforma, é possível perceber a forma como os utilizadores interagem com o website, que páginas visitam mais, qual a sua proveniência, entre outros parâmetros muito interessantes.

           

          5. Completa a presença digital da tua empresa com uma estratégia de Email Marketing

          O Email Marketing é outra estratégia eficaz para atrair clientes e melhorar a presença digital das empresas. É muito importante criar uma base de dados consistente para que este canal seja lucrativo. Para isso, podes introduzir no website um campo de subscrição, ou um formulário, onde os teus clientes fornecem os seus dados para poderem receber informações sobre a empresa.

          O Email Marketing é uma excelente forma de comunicar e fortalecer a relação da empresa com os seus clientes. Usa esta alternativa para enviares novidades sobre produtos, campanhas ou conteúdo diverso que interesse à tua rede.

           

          Se estás a começar um negócio e sentes que precisas de um “empurrão” extra, junta-te à comunidade POW. No nosso espaço de cowork, vais encontrar todas as condições e serviços necessários para o sucesso da tua empresa. Subscreve o blog e fica atento a todas as novidades.


           

          Subscreve a nossa Newsletter